Logo horizontal       ata        padrao com fundo_vermelho (1)(1)

Com apoio e participação da AMESAMPA – Associação de Meliponicultores do estado de São Paulo e do S.O.S. Abelhas Sem Ferrão, o Instituto ATÁ, do chefe Alex Atala promove “Um Giro pelo Universo das Abelhas Nativas”

Vitais para a conservação de nossos biomas, produtoras de uma das iguarias mais especiais de nossa biodiversidade e, neste caso, brasileiras! As abelhas nativas sem ferrão e seus méis especiais serão as estrelas do primeiro evento de 2018 organizado pelo Instituto ATÁ com apoio da AMESAMPA (Associação de Meliponicultores do Estado de São Paulo) e do S.O.S. Abelhas Sem Ferrão no Mercado Municipal de Pinheiros: Um Giro pelo Universo das Abelhas Nativas. Durante o dia 20 de janeiro, quem comparecer ao tradicional centro comercial do Largo da Batata entre as 11h e 15h poderá conhecer mais sobre as abelhas brasileiras sem ferrão, conversar com seus criadores (meliponicultores) e se surpreender com os sabores inesperados que seus méis trazem.

Publicada em outubro de 2017 no Diário Oficial de São Paulo, uma Resolução da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo (Resolução nº 52, SAA), finalmente estabeleceu os parâmetros para o controle da qualidade e os requisitos de segurança alimentar para o consumo humano dos méis das Abelhas sem Ferrão (Meliponinae) para o estado de SP. Assim nosso Estado se junta aos estados do Paraná, Amazonas e Bahia, atualmente os únicos estados da Federação que dispõem de regulamentos específicos para esse tão nobre, mas ainda pouco valorizado, produto de nossa rica biodiversidade. Conforme nosso presidente e um dos autores do artigo, que serviu de base técnica referencial para a formulação da Resolução, “Tal ação foi estratégica para a geração de um ambiente oficial, que permita a inserção desse produto especial no mercado formal, uma vez que até então esses méis eram comercializados de maneira informal e sem regras oficiais estabelecidas”. Segundo o chef Alex Atala, um dos fundadores do Instituto ATÁ e defensor da legalização dos méis das Abelhas brasileiras sem Ferrão, este é só o começo: “Nossas batalhas não são poucas, nem são pequenas. Somos uma gota em um oceano de lutas por uma alimentação boa, limpa e justa. Mas uma onda positiva vem surgindo, aqui e ali, com algumas conquistas.”, completa Atala.

Amantes e ativistas em prol da defesa e valorização das Abelhas sem Ferrão-ASF já tem presença confirmada, como o ecólogo Jerônimo Villas-Boas do Slow Food Brasil e Gerson Pinheiro presidente do S.O.S. Abelhas sem Ferrão. Nós da diretoria da AMESAMPA também estaremos presentes, levando méis de diferentes espécies de ASF, além de podermos relatar ao público presente, um pouco de todo o trabalho e esforço de nossa Associação, que resultou na publicação dessa Resolução. Afinal, mesmo 2017 tendo sido um ano de muitos casos de mortalidades de abelhas em nosso Estado, por conta do uso abusivo e indiscriminado de agrotóxicos, pudemos fechar o ano, com essa conquista tão importante para o reconhecimento de nossa atividade e valorização dos méis de nossas queridas ASF.

Méis de vários cantos de vasto Brasil serão apresentados, cada um com sua particularidade e sabores específicos. Abaixo, segue a relação completa das espécies de ASF, que estarão representadas no Mercado de Pinheiros:

  • Nome popular:Jataí

*Nome científico: Tetragonisca angustula

  • Nome popular: Uruçu-Amarela

*Nome científico: Melipona mondury

  • Nome popular: Mandaçaia

*Nome científico: Melipona quadrifasciata

  • Nome popular: Tiuba

*Nome científico: Melipona fasciculata

  • Nome popular: Mandaguari

*Nome científico: Scaptotrigona postica

 

 

UM GIRO PELO UNIVERSO DAS ABELHAS NATIVAS SEM FERRÃO

DATA: 20 de janeiro de 2018

HORÁRIO: 11h às 15h

LOCAL: Mercado Municipal de Pinheiros

Rua Pedro Cristi, 89, Pinheiros

Horário de funcionamento: segunda a sábado, das 8h às 18h. Fecha aos domingos.

Comment (1)

  • Márcia de Camargo
    Márcia de Camargo
    Reply

    Parabéns Dr. Ricardo Rodrigues de Camargo por levantar esta bandeira no Brasil. Muito orgulho do teu trabalho como pesquisador da Embrapa e ambientalista!

Deixe uma resposta para Márcia de Camargo - Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked (required)